O tempo que vai passando, leva-nos para outra idade.

Quarta-feira, 06 de Fevereiro de 2008

A confissão de um director é relevante. O Sr. Director da PJ confessou. Admitiu que a sua “empresa” não vai bem e que os seus funcionários não desempenharam bem as suas funções ou, como diz, precipitaram-se. O Sr. Director falou como se estivesse noutra, como se não fosse o máximo responsável, como se os funcionários que dele dependem andassem numa “roda livre” a brincar às investigações, pondo em risco as vidas dos cidadãos. O Sr. Director falou como se tivesse tomado, em devido tempo, posição contrária e, por quaisquer razões, viu-se impedido de, de pleno direito exercer as funções que lhe foram confiadas.Lavou as mãos como Pilatos e crucificou a instituição que dirige. Mas quem o impediu de exercer o seu cargo? Ou será que se esqueceu que é director? O senhor jurou solenemente por sua honra, o que, no mínimo, nos faria crer que, de alma e coração estaria a dirigir uma instituição que tem merecido a confiança do povo português. Quem é que afinal se precipitou, eles ou o senhor?

É caso único alguém com tamanha responsabilidade vir assassinar a sua dama em plena praça e, fazê-lo com a mesma indiferença com que o faria alguém que nunca a amou.

publicado por outraidade às 18:55
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


Últ. comentários
A Nicotina Magazine e a Nicotina Editores estão a ...
Apenas é um espaço onde se pode encontrar almas gé...
Como leitor assíduo do teu Blog e vice-versa e de...
Obrigada. Para sim também.
Sim, concordo consigo, dá que pensar.
Talvez procuremos apenas atenção, a que não temos ...
Temos que ir mudando para não deixarmos que o mofo...
Gosto do novo look. Poético, suave e primaveril, c...
Muito sentido, ainda hoje que já passaram alguns ...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro