O tempo que vai passando, leva-nos para outra idade.

Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

A informação “espectacular” (com imagens e tudo) fazia-me saltar no sofá onde me instalara cada vez que voltavam aos directos. À possibilidade da morte de alguém nem a minha educação de influência militarista conseguia enfrentar com a naturalidade necessária para não me deixar perturbar. Engasgava-me só de verbalizar “felizmente poderá ser o assaltante”, como sentia repulsa na  possibilidade de ouvir “infelizmente foi o refém”. A minha respiração tornou-se mais profunda num misto de alívio e de pesar.

O “dever de informação” ecoou-me mais uma vez na mente como algo contraditório sentindo que os direitos se atropelam quando nos consideramos do lado da razão.

É cómodo posicionarmo-nos de fora, sobretudo engendrar alternativas àquilo que não dominamos.

Defrontava-me com esta modernidade que se agradara do paliativo da fatalidade, encontrando nela uma relação multifacetada dos factos da nossa história recente e longínqua, a parca evolução da génese da natureza humana na qual os avanços da ciência e da técnica são estreitos para interferir nos circuitos integrados que nos proporcionam a vida.

A publicitação dos rostos sem o mínimo preconceito ou pudor, confinava a minha imbecilidade ao deixar-me agarrar ao sofá, embarcando em nome do “direito à informação”, onde o meu direito chegava ao limite de poder assistir a execuções em directo.

Não fui capaz de comandar a minha liberdade.

Nos rostos estava sofrimento de vida, o avizinhamento do termo daquele horrível jogo, a efemeridade de alguns momentos de glória ou a esperança grosseira que nem sei se tiveram tempo para acreditar.

Eu não preciso de saber quem deu ordens para matar.

 

 

publicado por outraidade às 21:23
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Últ. comentários
A Nicotina Magazine e a Nicotina Editores estão a ...
Apenas é um espaço onde se pode encontrar almas gé...
Como leitor assíduo do teu Blog e vice-versa e de...
Obrigada. Para sim também.
Sim, concordo consigo, dá que pensar.
Talvez procuremos apenas atenção, a que não temos ...
Temos que ir mudando para não deixarmos que o mofo...
Gosto do novo look. Poético, suave e primaveril, c...
Muito sentido, ainda hoje que já passaram alguns ...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro