O tempo que vai passando, leva-nos para outra idade.

Terça-feira, 02 de Dezembro de 2008

Nos tempos que correm sinto-me de menos sorrisos. Quando muito algum riso amargamente provocado pela leviandade dos homens, exímios utilizadores daquilo que malevolamente têm na sua natureza, acreditando estouvadamente que os outros são destituídos de sentido crítico. Parece um desabafo amargo, desiludido, mas não. A percepção da realidade que nos envolve e que muitas vezes camuflamos de ignorância, faz-nos acordar para a brevidade deste percurso independentemente da fé em que acreditamos ou mesmo quando afirmamos que não temos fé.

Foi este o sentimento que me invadiu durante o recente ataque a Bombaim. Revi as imagens de locais que pisei quando visitei a Índia há um ano e meio. A noção de estar a ver algo errado, de não ser verosímil o relato dos repórteres porque era demasiado contrastante a serenidade dos rostos com que me cruzei e tanta violência. Ninguém tinha o direito de querer alterar as coisas assim.

Bombaim é uma cidade de contrastes é certo, inúmeros e indeterminados mas mesmo quando nos incomodamos com o monóxido de carbono dos pequenos e velhos táxis, dos motociclos de séculos passados eleitos como principal meio de transporte, dos edifícios de traça europeia ombreando com as janelas de estilo hindu, mesmo assim não se pode querer mudar o olhar místico entre o pacífico e o submisso que transparece dos semblantes emoldurados por cabelos negros que nos desassossegam quando, disfarçadamente, os encaramos.

 

tags:
publicado por outraidade às 19:32
|

De Transdisciplinar a 3 de Dezembro de 2008 às 09:00
Não conheço a Índia. Só dos filmes. Mas isso não obsta a que me sinta indignado com mais esta tragédia a ensombrar os nossos quotidianos.

De outraidade a 3 de Dezembro de 2008 às 13:46
São os tempos, melhor, os homens dos nossos tempos.

De Ventania a 5 de Dezembro de 2008 às 20:54
Regressei da Índia há cerca de mês e meio, estive quase 3 semanas. Ainda não soube verbalizar a sensação de ver os primeiros vídeos divulgados dos ataques em simultâneo com pensamentos como "eu estive ali, jantei naquela mesa", "onde estão os milhares de pessoas que ali estavam no outro dia?", "para onde foi o trânsito infernal?"...

De outraidade a 10 de Dezembro de 2008 às 21:54
Eu acho que a Índia tem esse mistério - de nos deixar muito tempo com um sentimento que não se consegue verbalizar.


mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Últ. comentários
A Nicotina Magazine e a Nicotina Editores estão a ...
Apenas é um espaço onde se pode encontrar almas gé...
Como leitor assíduo do teu Blog e vice-versa e de...
Obrigada. Para sim também.
Sim, concordo consigo, dá que pensar.
Talvez procuremos apenas atenção, a que não temos ...
Temos que ir mudando para não deixarmos que o mofo...
Gosto do novo look. Poético, suave e primaveril, c...
Muito sentido, ainda hoje que já passaram alguns ...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro