O tempo que vai passando, leva-nos para outra idade.

Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Segundo as estatísticas, os portugueses sofrem cada vez mais de doenças depressivas.

A depressão pode ser causada por vário tipo de factores mas, segundo parece, neste momento as causas advêm sobretudo de factores económico-sociais.

Ninguém, mínimamente responsável, pode ficar alheio às notícias que, nos últimos tempos, preenchem as primeiras páginas noticiosas.

A instabilidade financeira, a insegurança do mercado de trabalho, a fragilidade de valores sociais, levam qualquer mente atenta a perceber que os tempos não são prósperos.

Pior ainda, quando se desperta um pouco mais e se percebe que a sociedade se movimenta desordenadamente parecendo abeirar-se de um crash qualquer cujas consequências não se adivinham.

Os economistas anunciam recessões em cascata, os sociólogos avisam para alterações sociais, os políticos publicam impostos.

Mas, como sempre em épocas de crise, aparecem figuras grotescas que se valem de um certo desmando organizativo e, no meio de tudo isto, quem era sério passa a fantoche, fazendo do povo palhaço.

Os espíritos mais impressionáveis são, naturalmente, afectados. Porque não é possível aguentar todo este despautério sem qualquer reacção.

Pior é que, como sociedade civilizada, não se pode lançar umas flechadas.

Interioriza-se este civilizacionismo e se a ira  latina não sai por um lado, acaba por sair por outro. Ou seja, entra-se pela madeira dentro.

 

 

 

 

 

 

publicado por outraidade às 18:29
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

21
22
23
24

25
27
28
29
30


Últ. comentários
A Nicotina Magazine e a Nicotina Editores estão a ...
Apenas é um espaço onde se pode encontrar almas gé...
Como leitor assíduo do teu Blog e vice-versa e de...
Obrigada. Para sim também.
Sim, concordo consigo, dá que pensar.
Talvez procuremos apenas atenção, a que não temos ...
Temos que ir mudando para não deixarmos que o mofo...
Gosto do novo look. Poético, suave e primaveril, c...
Muito sentido, ainda hoje que já passaram alguns ...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro