O tempo que vai passando, leva-nos para outra idade.

Quarta-feira, 02 de Julho de 2008

 

Já passava da meia noite. Encontros estranhos a esta hora numa cidade que se não conhece. O rosto pedia qualquer coisa mais para além do dinheiro.

“- Não vou negar, consumo heroína”.

Os olhos procuravam mais a minha afabilidade, embora não lhe fosse indiferente a minha carteira.

“- Não lhe minto, alguma coisa vai para a droga”.

A noite corria fresca, a iluminação era exígua perdendo toda a amplitude da expressão mas à face acudiam trejeitos de uma idade que não era a real – 33 anos.

“ – Vividos por aí”.

Nalguma utopia, entregava-me as suas origens, fazendo-me brilhar os olhos, ancorando-me na verdade de saber quem é.

“- Estou sozinho numa pensão paga pela segurança social ”.

Quase se despiu para me mostrar o corpo perdido no comichão.

“- Será sarna? Tenho medo que seja Sida”.

Ficaram compromissos sem juramentos porque nenhum de nós queria mentir.

“- Vou primeiro à farmácia”.

Ficou-lhe a liberdade de escolher entre poucas escolhas de vida. As palavras nem sempre batem ao mesmo ritmo do coração. Convenci-me que o nosso bateu alguns segundos em uníssono.

 

Não foi imaginada esta história. Antes fosse.

 

tags: ,
publicado por outraidade às 16:07
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

21
22
23
24

25
27
28
29
30


posts recentes
Últ. comentários
A Nicotina Magazine e a Nicotina Editores estão a ...
Apenas é um espaço onde se pode encontrar almas gé...
Como leitor assíduo do teu Blog e vice-versa e de...
Obrigada. Para sim também.
Sim, concordo consigo, dá que pensar.
Talvez procuremos apenas atenção, a que não temos ...
Temos que ir mudando para não deixarmos que o mofo...
Gosto do novo look. Poético, suave e primaveril, c...
Muito sentido, ainda hoje que já passaram alguns ...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro